URL

A Campanha EMEPC/M@rBis2015 contará com a participação de vários projetos a bordo do NTM “Creoula”. Estes projetos, a par dos trabalhos do M@rBis serão muito importantes para aumentar os registos de biodiversidade marinha a recolher durante a campanha e para o conhecimento científico sobre as águas marinhas da zona de Lisboa-Oeiras-Cascais.

Aqui encontrará a listagem de projetos, bem como a descrição de cada um e os responsáveis pelos mesmos.

Projetos

1 Inventário de espécies de anémonas

Responsável do projeto:

Ana Pereira

Instituição: ISPA Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida

Descrição do projeto:

As técnicas de identificação genética de espécies (DNA barcoding) têm sido desenvolvidas para múltiplos grupos de espécies nos últimos anos. O seu papel é de grande importância sobretudo em espécies de difícil identificação ou com interesse comercial. Estas técnicas baseiam-se na amplificação e sequenciação de genes seleccionados previamente e na comparação com sequências de referência. Na grande maioria dos taxa, o fragmento seleccionado para estes estudos é o gene mitocondrial que codifica a subunidade I da enzima citocromo oxidase. O ADN mitocondrial foi seleccionado para estes trabalhos, por não apresentar intrões, não estar exposto a fenómenos de recombinação, ter um número elevado de cópias por célula, ser haplóide e maioritariamente herdado apenas por via materna. Em Cnidários, assim como em muitos outros invertebrados, as taxas de evolução do ADN mitocondrial são muito inferiores às do ADN nuclear. Por esta razão, os genes habitualmente utilizados para barcoding não são úteis na identificação de espécies. Neste trabalho, pretende-se recolher o maior número possível de espécies de anémonas, preservando quer os indivíduos adultos para estudos morfológicos, quer uma amostra de tecido, que permita avaliar a potencialidade de diferentes marcadores genéticos para barcoding nas espécies de anémonas (Cnidaria: Anthozoa) presentes na costa Portuguesa.

2 BioMarPT

Responsável do projeto:

Estibaliz Berecibar, Mónica Albuquerque

Instituição: EMEPC – Estrutura de Missão para a Extenção da Plataforma Continental

Descrição do projeto:

O projeto BioMar PT – “Aprender a conhecer o ambiente marinho de Portugal “ pretende contribuir para o aumento de competências de quadros para assegurar a implementação da Diretiva-Quadro “Estratégia Marinha” em Portugal continental em quanto a aquisição de aptidões técnicas para a aplicação de metodologias uniformizadas e na realização da monitorização multidisciplinar contínua de processamento e análise das amostras recolhidas e no tratamento e análise dos dados. A componente do projeto BioMar PT aferida a EMEPC tem como objetivo aumentar o conhecimento da biodiversidade e especialmente sobre as espécies não indígenas que ocorrem na costa PT. Para cumprir estes objetivos, durante a Campanha EMEPC/M@rBis2015, iremos realizar amostragens nos ostreiros do Tejo, marinas de Lisboa, Oeiras e Cascais, e a costa rochosa do conselho de Oeiras e Cascais. De esta forma, pretende-se conhecer as espécies não indígenas (NIS) presentes nesta costa e avaliar qual são os substratos preferenciais e qual a sua influencia ao longo da costa.

projeto2

3 A procura de Medusas, no plancton e no bentos

Responsável do projeto:

Alexandra Teodósio

Instituições: Universidade do Algarve, CCMAR, CIIMAR

Descrição do projeto:

São cada vez mais frequentes os relatos de praias interditas em todo o mundo devido ao excesso de organismos gelatinosos, como as medusas ou alforrecas. Este aumento da abundancia de medusas associa-se ao aumento de temperatura dos oceanos e à presença de substratos artificiais, entre outros. É preciso conhecer em detalhe estas espécies, que tem ciclos de vida complexos, uma vez á deriva nas correntes, ou seja no plâncton, outras vezes bem presas ao fundo do mar a substratos naturais ou artificiais, ou seja no bentos. Para uma gestão sustentável dos oceanos é importante compreender o ciclo dest as espécies que habitam a nossa costa e distinguir as especies tóxicas e perigosas, das que tem potencial de aplicação turistica e ou biotecnológica.

Projeto3

4 Espécies invasoras: Algas invasoras, Cystoseiras, Kelps, Fucales, Corais solitários e gorgónias

6 A Arqueologia Costeira de Cascais: levantamento da fauna como elemento de monitorização dos sítios arqueológicos subaquáticos

Responsáveis do projeto:

Jorge Freire (CHAM/FCSH/UNL-Aç) e António Fialho (CMC)

Instituições: Câmara Municipal de Cascais; Centro de História de Aquém e Além Mar e Centro de Investigação Naval

Descrição do projeto:

Grande parte do desenvolvimento teórico no início da arqueologia costeira foi impulsionada por questões de evolução do meio ambiente enquanto explicações económicas ou derivados de subsistência do uso do litoral. Embora actualmente o ambiente continue a ser um foco de investigação preliminar em arqueologia costeira, as interpretações arqueológicas do papel que desempenha na natureza das ocupações antrópicas no litoral são actualmente uma das linhas de análise aprofundada do projecto de Carta Arqueológica Subaquática do Concelho de Cascais (ProCASC). O foco principal da nossa investigação pode ser divido em duas categorias, que têm impacto directo sobre os sítios arqueológicos: uma preocupação com a mudança no ambiente costeiro impulsionada pelo homem ou pela natureza e os processos de adaptação e gestão destas mudanças. Para a campanha M@rbis 2015, procuramos construir padrões de variabilidade dos sítios arqueológicos. A condição destes varia consideravelmente de acordo com o material da evidência e a natureza do depósito. Para cada sítio é necessário reconhecer o potencial bio-sedimentar que é influenciado por vários factores, entre eles a diversidade de organismos marinhos. Este potencial permite obter marcadores únicos de análise da Arqueologia Costeira enquanto conhecimento da dinâmica e formação dos sítios e na forma em determinar medidas de monitorização in situ.

Projeto6

 7 Análise da influência de navios afundados na sedimentação

Responsável do projeto:

Mário Cachão

Instituições: Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e Instituto Dom Luis

Descrição do projeto:

Devido à dimensão de alguns navios afundados é expectável que estes alterem na sua vizinhança a direcção/velocidade de correntes de fundo, o que poderá dar origem a distorções nas estruturas sedimentares (e.g. orientação/dimensão de ripples), na textura dos sedimentos (e.g. lavagem ou enriquecimento na componente silto-argilosa), e/ou no seu conteúdo em microfósseis (e.g. nanoplâncton calcário). Neste sentido sugere-se que sejam colhidas amostras de sedimento superficial segundo perfis radiais em relação ao casco do navio, em várias direcções, a montante e a jusante das principais correntes de fundo. Pretende-se analisar a possível existência de variações/gradientes nos parâmetros sedimentares e/ou no seu conteúdo em elementos biogénicos que documentem potenciais efeitos de sombra ou intensificação de vórtices na vizinhança da embarcação afundada.

8 Acústica e fotoidentificação dos mamíferos marinhos

Responsáveis do projeto:

André Cid

Instituição:AIMM – Associação para a Investigação do Meio Marinho

Descrição do projeto:

A participação AIMM na campanha EMEPC/M@rBis/Lisboa-Oeiras-Cascais 2015 dará continuidade ao trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pelos investigadores da AIMM. Em particular, ao método de estudo de cetáceos, desenvolvido nas anteriores campanhas da EMEPC (M@rBis/Algarve2013 e M@rbis/Arrabida2014), e ao trabalho pioneiro iniciado em 2009 pela Associação para a Investigação do Meio Marinho (AIMM) - a monitorização a longo prazo de cetáceos em toda a costa Sul e Sudoeste de Portugal continental. A participação na campanha EMEPC/M@rbis/Lisboa-Oeiras-Cascais, permitirá ainda a continuação da monitorização de cetáceos com recurso a meios acústicos, no âmbito dos projetos acústicos iniciados pela AIMM Portugal em 2014. Este projeto é ainda inovador na sua inclusão e extensão da monitorização de espécies de tartarugas marinhas ocorrentes na costa de Portugal continental, sendo que, atualmente, a presença de quelónios na área de estudo é essencialmente reconhecida pelos dados de arrojamentos, e como tal altamente sub-estudada. Os membros da equipa de investigação têm vários anos de experiência de trabalho com distintas espécies de tartarugas marinhas, estando portanto capacitados para colmatar esta lacuna.

comum5

comum6

Comum8

9 Registo de golfinhos no Tejo

Responsáveis do projeto:

Vera Jordão e Francisco Martinho

Instituição: Escola de Mar

Descrição do projeto:

O projeto Golfinhos do Tejo, desenvolvido pela equipa da Escola de Mar, em parceria com os Municípios de Cascais e Almada, que tem como objetivo obter informação relevante sobre a presença de golfinhos no Tejo e águas costeiras adjacentes e a sua relação com o ecossistema estuarino e marinho, num contexto espacio-temporal alargado. Tem sido conduzida uma investigação histórica sobre a presença de cetáceos na região e a sua relação com mudanças no ecossistema, e os dados obtidos na presente campanha permitirão complementar a informação já existente sobre a zona costeira adjacente ao estuário do tejo (do Cabo Espichel ao Cabo da Roca). Em termos gerais, pretende-se contribuir para uma gestão mais sustentável das regiões costeiras e aumentar o conhecimento sobre os cetáceos da costa continental portuguesa.

10 Caracterização do local “sítio das pata roxas”

Responsável do projeto:

Henrique Cabral

Instituição: MARE - Marine and Environmental Sciences Centre

Descrição do projeto:

Foi descoberta em 2014 por mergulhadores do centro de mergulho local uma baixa localizada dentro da zona de protecção do emissário submarino da Guia. Este local tem a particularidade de atrair uma grande abundância de pata-roxas (Scyliorhinus canicula), uma espécie de tubarão com interesse comercial bastante comum nas nossas águas. Os indivíduos desta espécie são observados normalmente apoiados sobre o fundo, deixando os mergulhadores aproximar-se com facilidade, o que faz com que seja uma espécie importante para o mergulho recreativo. No entanto, é também sobretudo importante compreender o valor deste local particular no ecossistema circundante, como zona de aglomeração de um grande número de predadores, com um papel importante na estabilidade das comunidades marinhas. Para este projecto contribuirão as observações realizadas ao longo da campanha, no local e nas áreas circundantes, de forma a compreender se se trata de uma situação única e isolada (e portanto vulnerável), ou se existem mais locais com características semelhantes. O valor ecológico do local tem fortes implicações na necessidade de uma gestão e fiscalização mais efectivas da área de protecção já implementada.

projeto10

11 Caracterização dos povoamentos de Kelp e comunidades de algas presentes em zonas profundas

Responsável do projeto:

João Franco

Instituição: CIIMAR - Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental

Descrição do projeto:

Os povoamentos de kelps estão geralmente associadas às zonas costeiras pouco profundas das regiões temperadas e frias. Estes povoamentos de kelps também podem ocorrer em zonas mais profundas (< 90 m), onde a batimetria e os fenómenos de ressurgência podem formar uma camada - mista acima da profundidade de ocorrência da dose mínima de irradiação anual, necessária à sobrevivência dos kelps. No entanto as dificuldades logisticas para aceder a estas comunidades mais produndas acabam por ser uma limitação para o seu conhecimento. O objetivo deste projecto é caracterizar os povoamentos de kelps e comunidades de algas associadas presentes em zonas mais profundas (e.g. Gorringe, Montanha de Camões, Parcel, etc. ), constituindo assim um passo importante para o obectivo final que é o do conhecimento da productividade e biodiversidade destas zonas, as suas cadeias tróficas e o conhecimento da resiliência destes ecossistemas às alterações climáticas.

12 Investigação e recolha de imagens para a realização de uma história sobre a campanha

Responsável do projeto:

Gustavo Neves

Instituição: Peregrinus Studio

Descrição do projeto:

De 25 Maio a 5 Junho a campanha EMEPC/M@arBis2015 busca a caracterização da biodiversidade marinha da zona Lisboa-Oeiras-Cascais até ao Cabo da Roca. Sua base de operações científicas é o navio "Creoula", um lugre de quatro mastros construído em 1937 para a pesca do bacalhau, utilizado desde 1979 como navio de treino de mar da marinha Portuguesa. Reunimos n'este ex-bacalhoeiro investigadores de diversas áreas, dando continuação e visibilidade ao processo de extensão da plataforma continental de Portugal.

projeto12

13 Estudo dos padrões de recrutamento da ictiofauna não-residente em zonas do intertidal

Responsável do projeto:

Frederico Almada

Instituições: MARE - Marine and Environmental Sciences Centre e ISPA Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida

Descrição do projeto:

A ictiofauna não-residente no intertidal rochoso tem vindo a ser monitorizada regularmente desde 2009 na zona das Avencas/Parede. Uma vez que está previsto continuar este trabalho de monitorização e que o mesmo deverá passar a incluir a zona subtidal, decidiu-se realizar em parceria com a campanha M@rbis 2015 um conjunto de saídas de campo no intertidal e de censos visuais no subtidal. O objectivo principal é avaliar não só os padrões de ocupação do espaço das plataformas rochosas intertidais durante o período de preia-mar mas também investigar esses mesmos padrões numa pequena extensão do subtidal, preferencialmente até uma batimétrica de 15-20 m.

14 Diversidade e caracterização dos venenos produzidos por peixes do género Scorpaena em águas temperadas

Responsável do projeto:

Frederico Almada

Instituições: MARE - Marine and Environmental Sciences Centre e ISPA Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida 

Descrição do projeto:

De uma forma geral os venenos produzidos por peixes têm sido largamente ignorados no que diz respeito à descrição da sua composição e aos seus efeitos fisiológicos. À semelhança daquilo que já acontece com outros organismos existe todo o interesse em avaliar o potencial destes compostos ao nível da biomedicina. Na nossa costa existem diversos peixes descritos como venenosos mas as características ou as propriedades desses venenos nunca foram descritas. Por essa razão, e com o objectivo de fazer uma análise comparativa da composição desses venenos, foi iniciada a recolha destes compostos em diversas espécies de peixes da ictiofauna Portuguesa. O veneno é inicialmente recolhido utilizando um sistema optimizado pelos responsáveis por este projecto. Em seguida o veneno é armazenado em condições de frio apropriadas para ser finalmente transportado para o laboratório para os necessários protocolos de quantificação, purificação e análise.

15 Caracterização granulométrica e composicional e estudo dos foraminíferos e dos nanofósseis

Responsável do projeto:

Luísa Pinto Ribeiro

Instituição: EMEPC – Estrutura de Missão para a Extenção da Plataforma Continental

Descrição do projeto:

Durante a campanha M@rBis em 2013, foram recolhidas 11 amostras de sedimentos ao longo da costa algarvia. Estas amostras foram entregues, através de uma cedência de dados da EMEPC à Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, para caracterização granulométrica e composicional e estudo dos foraminíferos e dos nanofósseis. Estas informações integrarão a base de dados da EMEPC na parte da geologia, tendo particular interesse a caracterização dos sedimentos de fundo.

16 Estudo dos sedimentos junto ao emissário da Guia - comparação das associações de foraminíferos existentes previamente à instalação do emissário

Responsável do projeto:

Francisco Fatela

Instituições:Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e Instituto Dom Luis

Descrição do projeto:

Este projecto decorre do estudo de caracterização dos foraminíferos bentónicos actuais, que se distribuem na plataforma interna, entre Lisboa e o Cabo da Roca (projecto 15). Procurará acrescentar porém, uma avaliação preliminar do impacte do emissário submarino da Guia sobre a evolução da associação local de foraminíferos bentónicos. O tipo de alimento disponível é um dos factores de controlo na distribuição das espécies de foraminíferos. Assumindo o pressuposto de que a instalação do emissário alterou significativamente a quantidade e a qualidade da matéria orgânica que se deposita nos sedimentos de fundo da Guia, vamos comparar a associação que ali viveu antes do início das emissões, com a biocenose de foraminíferos agora recolhidos pelo M@RBIS 2015.

17 Projeto AquaSig Cascais – Atualização de informação biológica no litoral de Cascais

Responsáveis do projeto:

Ana Margarida Ferreira

Instituição:Cascais Ambiente

Descrição do projeto:

O AquaSig Cascais e seu programa de monitorização surgiu da necessidade de criar uma ferramenta de planeamento e de gestão que constituísse uma fonte centralizada de informação relativa aos valores naturais e patrimoniais a proteger e a atividades que se desenvolvem na zona, particularmente as que, de alguma forma, influenciam e são influenciadas pelo meio marinho. A informação condensada pretende contribuir como suporte aos processos de gestão no Município de Cascais, nomeadamente, relativos à implementação de atividades sócio-económicas e turísticas, proteção ambiental, identificação de zonas sujeitas a maior pressão e implementação de ações de resposta no caso de poluição marinha. Os conteúdos, desenvolvidas em ambiente SIG, foram integrados no sistema AquaSig e estão disponíveis em www.sig.cm-cascais.pt. O projeto AquaSig Cascais, revelou a riqueza específica das águas do mar de Cascais, assim como as suas particularidades oceanográficas que permitem a existência de tanta diversidade marinha. Revelou igualmente que apesar da grande capacidade de regeneração das zonas costeiras existe uma elevada pressão antropogénica neste ecossistema costeiro que impede a estabilização das comunidades marinhas. Toda a informação recolhida no âmbito deste projeto encontra-se disponível no “Portal do Mar”, ferramenta online (http://portaldomar.cascais.pt/) que reúne dados diversos sobre o mar de Cascais, com o objetivo de divulgar toda a informação relacionada com a orla costeira do Concelho de uma forma simples e acessível ao publico em geral. A Campanha MarBis 2015 irá permitir completar a informação recolhida pelo projeto AquaSig Cascais e contribuir para a monitorização do litoral do concelho.

18 Projeto Diversidade de poliquetas na zona costeira de Cascais e Banco Submarino Camões

Responsável do projeto:

Roberto Martins, PhD (Investigador em Pós-Doutoramento)

Instituição: Universidade de Aveiro - Departamento de Biologia/CESAM

Descrição do projeto:

O estudo da biodiversidade, identificação, caracterização e mapeamento das comunidades de macrofauna bentónica são de extrema relevância em termos ecológicos e económicos. Vários projetos tem sido conduzidos recentemente em Portugal que culminaram com a descrição de um elevado número de novas espécies e dezenas de novas ocorrências, particularmente de Anelídeos Poliquetas. A campanha EMEPC/M@rBis2015 decorrerá na zona costeira de Cascais, particularmente no subtidal da Praia das Avencas e Banco Submarino de Camões (ao largo do Cabo da Roca), duas áreas reconhecidas pela sua biodiversidade e importância ecológica. Assim sendo, este projeto visará identificar, inventariar e catalogar as espécies de anelídeos poliquetas, presentes em substrato móvel e rochoso, particularmente aqueles que vivem associados a macroalgas, pradarias de ervas marinhas, esponjas e briozários. Este estudo permitirá atingir alguns dos objetivos das campanhas do EMEPC/M@rbis, ao servir de base e/ou complementar outros estudos a bordo ou passados, aumentar o número de espécies inventariadas na plataforma do M@rbis e assim, contribuir para uma melhor gestão do ambiente marinho.

FaLang translation system by Faboba

Contactos


Telefone: +351 213 004 165

Fax: +351 213 905 225

Informações sobre o

Projeto de Extensão da Plataforma Continental:

Email: info@emepc.mm.gov.pt

Morada: Rua Costa Pinto, N.º 165

2770-047 Paço de Arcos - Portugal

Morada Postal: Apartado 1139

2771-901 Paço de Arcos 

Siga-nos